Alimentação Enteral: Como funciona e quando é usada

Publicado em 14/10/2020
Alimentação Enteral: Como funciona e quando é usada

O que é alimentação enteral? A alimentação enteral refere-se à ingestão de alimentos por meio do trato gastrointestinal (GI). O trato gastrointestinal é composto pela boca, esôfago, estômago e intestinos. A alimentação enteral pode significar nutrição pela boca ou por um tubo que vai diretamente para o estômago ou intestino delgado. No ambiente médico, o termo alimentação enteral é mais frequentemente usado para significar alimentação por sonda.

Uma pessoa com alimentação enteral geralmente apresenta uma condição ou lesão que impede a ingestão de uma dieta regular por via oral, mas seu trato gastrointestinal ainda é capaz de funcionar.

 

Ser alimentado por um tubo permite que eles recebam nutrição e mantenham o trato gastrointestinal funcionando. A alimentação enteral pode constituir toda a sua ingestão calórica ou pode ser usada como suplemento.

 

Quando a alimentação enteral é usada?

A alimentação por sonda pode ser necessária quando você não consegue comer calorias suficientes para atender às suas necessidades nutricionais. 

 

Isso pode ocorrer se você fisicamente não consegue comer, não consegue comer com segurança ou se suas necessidades calóricas aumentam além de sua capacidade de comer.

 

Se você não consegue comer o suficiente, você corre o risco de desnutrição, perda de peso e problemas de saúde muito graves. Isso pode acontecer por vários motivos. Algumas das razões subjacentes mais comuns para a alimentação enteral incluem:

 

1 - um derrame, que pode prejudicar a capacidade de engolir

2 - câncer, que pode causar fadiga, náuseas e vômitos que dificultam a alimentação

3 - doença crítica ou lesão, que reduz a energia ou a capacidade de comer

4 - deficiência de crescimento ou incapacidade de comer em crianças ou bebês

5 - doença grave, que coloca o corpo em um estado de estresse, dificultando a ingestão de nutrientes suficientes

6 - distúrbios neurológicos ou de movimento que aumentam as necessidades calóricas enquanto tornam mais difícil comer

7 - Disfunção ou doença gastrointestinal, embora isso possa exigir nutrição intravenosa (IV) em vez

 

Tipos de alimentação enteral

De acordo com o American College of Gastroenterology, existem seis tipos principais de tubos de alimentação. Esses tubos podem ter outros subtipos, dependendo de exatamente onde terminam no estômago ou intestinos.

 

A localização do tubo será escolhida por um médico com base no tamanho do tubo necessário, por quanto tempo a alimentação enteral será necessária e em suas habilidades digestivas.

 

O profissional médico também escolherá uma fórmula enteral a ser usada com base no posicionamento do tubo, nas habilidades digestivas e nas necessidades nutricionais.

 

Os principais tipos de sondas de alimentação enteral incluem:

 

1 - A sonda nasogástrica (NGT) começa no nariz e termina no estômago.

2 - A sonda orogástrica (OGT) começa na boca e termina no estômago.

3 - O tubo nasoentérico começa no nariz e termina nos intestinos (os subtipos incluem tubos nasojejunais e nasoduodenais).

4 - O tubo oroentérico começa na boca e termina nos intestinos.

5 - O tubo de gastrostomia é colocado através da pele do abdômen direto para o estômago (os subtipos incluem PEG, PRG e tubos de botão).

6 - O tubo de jejunostomia é colocado através da pele do abdômen diretamente nos intestinos (os subtipos incluem tubos PEJ e PRJ).

 

Procedimento para colocar o tubo

NGT ou OGT

A colocação de uma sonda nasogástrica ou orogástrica, embora desconfortável, é bastante simples e indolor. A anestesia não é necessária.

 

Normalmente, uma enfermeira mede o comprimento do tubo, lubrifica a ponta, coloca o tubo em seu nariz ou boca e avança até que o tubo esteja no estômago. O tubo é geralmente preso à pele com fita adesiva.

 

A enfermeira ou o médico retirará um pouco do suco gástrico do tubo com uma seringa. Eles verificarão o pH (acidez) do líquido para confirmar se o tubo está no estômago.

 

Em alguns casos, uma radiografia de tórax pode ser necessária para confirmar a colocação. Assim que a colocação for confirmada, o tubo pode ser usado imediatamente.

 

Nasoentérica ou oroentérica

Os tubos que terminam nos intestinos geralmente requerem colocação endoscópica. Isso significa usar um tubo fino chamado endoscópio, que tem uma pequena câmera na extremidade, para colocar o tubo de alimentação.

 

A pessoa que colocar o tubo poderá ver onde o está colocando por meio da câmera do endoscópio. O endoscópio é então removido e a colocação do tubo de alimentação pode ser confirmada com aspiração do conteúdo gástrico e raio-X.

 

É prática comum esperar 4 a 12 horas antes de usar o novo tubo de alimentação. Algumas pessoas ficarão acordadas durante este procedimento, enquanto outras podem requerer sedação consciente. Não há recuperação da colocação do tubo em si, mas pode levar uma ou duas horas para que os medicamentos de sedação passem.

 

Gastrostomia ou jejunostomia

A colocação de tubos de gastrostomia ou jejunostomia também é um procedimento que pode exigir sedação consciente ou, ocasionalmente, anestesia geral.

 

Um endoscópio é usado para visualizar onde o tubo precisa ir e, em seguida, um pequeno corte é feito no abdome para alimentar o tubo no estômago ou intestinos. O tubo é então preso à pele.

 

Muitos endoscopistas optam por esperar 12 horas antes de usar o novo tubo de alimentação. A recuperação pode levar de cinco a sete dias. Algumas pessoas sentem desconforto no local de inserção do tubo, mas a incisão é tão pequena que normalmente cicatriza muito bem. Você pode receber antibióticos para prevenir a infecção.

 

Alimentação enteral vs. parenteral

Em alguns casos, a alimentação enteral pode não ser uma opção. Se você está em risco de desnutrição e não tem um sistema gastrointestinal funcional, pode precisar de uma opção chamada alimentação parenteral.

 

A alimentação parenteral se refere a fornecer nutrição pelas veias de uma pessoa. Você terá um tipo de dispositivo de acesso venoso, como uma porta ou um cateter central inserido perifericamente (PICC ou linha PIC), inserido para que possa receber nutrição líquida.

 

Se esta for a sua nutrição complementar, é chamada de nutrição parenteral periférica (NPP). Quando você está obtendo todas as suas necessidades nutricionais por meio de uma intravenosa, geralmente é chamado de nutrição parenteral total (NPT).

 

A alimentação parenteral pode ser uma opção que salva vidas em muitas circunstâncias. No entanto, é preferível usar nutrição enteral, se possível. A nutrição enteral imita a alimentação regular e pode ajudar no funcionamento do sistema imunológico.

 

Possíveis complicações da alimentação enteral

Existem algumas complicações que podem ocorrer como resultado da alimentação enteral. Alguns dos mais comuns incluem:

 

aspiração, que é comida indo para os pulmões

1 - síndrome de realimentação, desequilíbrios eletrolíticos perigosos que podem ocorrer em pessoas que estão muito desnutridas e começam a receber alimentação enteral

2 - infecção do tubo ou local de inserção

3 - náuseas e vômitos que podem resultar de alimentos muito grandes ou rápidos, ou de esvaziamento lento do estômago

4 - irritação da pele no local de inserção do tubo

5 - diarreia devido a uma dieta líquida ou possivelmente medicamentos

deslocamento do tubo

6 - bloqueio do tubo, que pode ocorrer se não for lavado corretamente

 

Normalmente, não há complicações de longo prazo na alimentação enteral.

 

Ao retomar a alimentação normal, você pode sentir algum desconforto digestivo enquanto seu corpo se reajusta aos alimentos sólidos.

 

Quem não deve receber alimentação enteral?

A principal razão pela qual uma pessoa não seria capaz de receber alimentação enteral é se seu estômago ou intestinos não estão funcionando corretamente.

 

Alguém com obstrução intestinal, diminuição do fluxo sanguíneo para os intestinos (intestino isquêmico) ou doença intestinal grave, como a doença de Crohn, provavelmente não se beneficiaria com a alimentação enteral.

 

Por fim...

A alimentação enteral costuma ser usada como uma solução de curto prazo, enquanto a pessoa se recupera de uma doença, lesão ou cirurgia. A maioria das pessoas que recebem alimentação enteral volta a comer regularmente.

 

Existem algumas situações em que a alimentação enteral é usada como uma solução de longo prazo, como para pessoas com distúrbios de movimento ou crianças com deficiência física.

 

Em alguns casos, a nutrição enteral pode ser usada para prolongar a vida de alguém que está gravemente doente ou de uma pessoa idosa que não consegue manter suas necessidades nutricionais. A ética do uso da alimentação enteral para prolongar a vida deve ser avaliada em cada caso individual.

 

A alimentação enteral pode parecer um ajuste desafiador para você ou um ente querido. Seu médico, enfermeiras, nutricionista e profissionais de saúde domiciliar podem ajudar a tornar esse ajuste bem-sucedido.